Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Pesquisar este blog

Os Quatro Mártires de Guajaibón

Julian Martinez Inclán

Alexandre Martins, cm.


O calvário de sangue, dor, morte, teve que viajar pelo país em sua luta pelo resgate da Liberdade. A Congregação Mariana de Cuba também pagou seu tributo. Guajaibón, localidade no coração de Pinar del Rio, Cuba, onde quatro de seus membros foram vítimas dos agentes da Ditadura.
São Javier Calvo Formoso, Ramón Pérez Lima, Julian Martinez Inclán e Martí José Ignacio Santa Cruz, detidos em Bahía Honda na noite de 26 de Dezembro; torturados no dia 27; enforcados e seus corpos pendurados trucidados na manhã do dia 28, a festa dos Santos Inocentes. O Padre Armando Llorente,SJ, Diretor da Congregação Mariana a qual pertenciam os jovens mártires, conta comovido os detalhes da busca e encontro dos corpos e mostra que os jovens tinham um futuro promissor.
Jovens promissores
Julián Martínez Inclán, morto aos 20 anos. Estudante no Colégio de Belém, onde foi congregado. Membro da Academia de Avellaneda e membro do time oficial de basquete. Estudava o segundo ano de Engenharia Mecânica da Universidade de Villanueva.
Ramón Pérez Lima, morto aos 20 anos. Graduado no Colégio Baldor, com louvor. Cursava o primeiro ano de Engenharia Elétrica na Universidade de Havana. Era professor do Centro de Estudos de Matemática da Congregação Mariana.
Javier Calvo Formoso, morto aos 20 anos. Antigo aluno do Colégio de Belém, onde estudou por onze anos, com louvor. Congregado mariano e membro da Academia Literária Avellaneda. Pós-Graduado, era professor de psicologia no Colégio de Belém e estudante de medicina na Universidade de Havana e de Psicologia em Villanueva. Professor na Escola Noturna para Operários de Belém e presidente da Confederação Católica de Associações Universitárias.
José Martí Ignacio Santa Cruz, morto aos 20 anos. Natural de Santiago de Cuba. Graduado no Colégio "Dolores" dos Jesuítas, com mérito e louvor. Congregado mariano, aluno do Terceiro ano de Engenharia Química na Universidade de Villanueva. Famoso desportista.
Os fatos
O Padre Llorente1 narra os fatos que comoveram toda Cuba:

"Às onze horas da noite da sexta-feira, 26 de dezembro, os quatro jovens partiram para Pinar del Río. Iam desarmados e não com missão de violência: entrevistariam alguns membros da resistência civil da província de Pinar del Rio para as necessidades imediatas que possam ter, especialmente no que diz respeito à medicina, roupas, alimentos, a fim de ajudá-los a partir da capital. Uma tarefa patriótica e humanitária que lhes tinha ditado seu próprio coração e puseram-se a realizar depois de receber, como faziam diariamente, a Sagrada Comunhão. Eram almas puras que aspiravam somente sanar a dor e as necessidades dos que lutavam por um ideal patriota.”

Para evitar tropeçar na Estrada Central, fortemente vigiada, optaram por fazer a viagem em dois carros, saindo ao mesmo tempo.
De acordo com o plano elaborado, voltariam a Havana na tarde do dia 31, para passar o Ano Novo com suas famílias; por isso nos preocupamos depois do dia primeiro de janeiro, já que não tivemos notícias deles. E uma semana depois, quando por acaso, graças a uma pessoa na província de Pinar del Rio, um amigo da família de um dos quatro jovens, tivemos a notícia do trágico destino dos meninos.
"Pele Canela”
O Diretor da Congregação continua sua narração:
"Foi em um bar em Bahia Honda, algumas noites atrás, que soube-se os primeiros detalhes do crime horrível. Um dos assassinos, um soldado de má fama conhecido pelo apelido de "Pele Canela" expulso por alcoolismo começou a gabar-se a várias pessoas que estavam lá que havia tomado parte na prisão de quatro jovens de Havana que iam a Pinar del Río e que horas tinham sido enviados para o quartel de Las Pozas.”

Com esses dados, padre Llorente nos diz que deixou Havana em um jipe, a fim de encontrar o lugar onde eles poderiam ser os restos dos jovens. Foi uma tarefa dolorosa que nos levou primeiro a Bahia Honda onde entrevistou "Pele Canela". De seus lábios se encontraram detalhes que os comoveu profundamente. Como quando explicou que tarde da noite, em calabouço escuro, onde tinham sido levados os quatro meninos, ele ouviu o que ele acreditava ser zumbido de abelhas. Receoso, no entanto foi para o calabouço onde ele presenciou uma cena que o próprio criminoso confessa que o impressionara: os jovens detidos, ajoelhados, rezando o rosário em voz baixa, mesmo torturados dos golpes que receberam para chegar ao quartel.
De Bahia Honda, no dia 27, e de acordo com uma minuciosa pesquisa sabe-se que às dez horas foram conduzidos por caminhão ao Quartel de las Pozas no Circuito Norte de Pinar del Río. Iam guardados por vários soldados e ao chegar ao local foram introduzidos nos estábulos, onde receberam mais torturas e, de acordo com o depoimento de testemunhas oculares, foram capazes de suportar com resignação cristã.
A provação continuou quando, no dia 28, às três da manhã foram retirados do quartel e levados pelo tenente Dupairon, guarda da Prisão La Cabana, até Guajaibón, onde, depois de torturas sangrentas e horríveis, foram enforcados por vários agentes do antigo regime de Fulgêncio Batista às cinco da manhã.
O Padre Llorente explica o momento crucial de sua viagem a Pinar del Río: encontrar os corpos, que eram quase insepultos alguns corpos e outros mal cobertos por quatro centímetros de terra. A mão de um dos jovens tinha sido exposta, e um urubu voando sobre o lugar serviu como nossa bússola. E, embora os corpos estivessem horrivelmente mutilados, poderíamos ter a consolação de identificar e trazê-los para Havana onde teriam sepultura cristã, depois de tê-los cuidado em nossa Congregação e de presidir o Núncio Apostólico o enterro que foi uma demonstração de luto imenso.
Sem ódio, mas com a palavra grave, o padre Llorente nos faz uma revelação macabra.
Não foi só a descoberta destes quatro meninos os encheu de dor e espanto mas foram descobertos grandes grupos de corpos enquanto os procuravam. Grupos de trinta, cinquenta, oitenta, todas aparentemente vítimas da repressão desumana que ocorreu nessa área de Pinar del Río por agentes sem escrúpulos, sem o menor sentimento de caridade.
Homenagem
O olhar do diretor da Congregação agora se ilumina quando anuncia que a Congregação Mariana tem como objetivo levantar naquele lugar, aonde caíram os quatro membros em 28 de dezembro, uma capela em Guajaibón para servir como um local de peregrinação e como uma homenagem aos mártires, cuja memória já escrita nesta página que termina com um cântico de esperança cristã a história do padre Llorente:
Há momentos na história em que combinam Heroísmo e Graça. Heróis há legiões deles, em todas as épocas e em todas as latitudes, realizadores de prodigiosas invenções ou conquistas lendárias. Estrelas no firmamento das glórias humanas. E mais acima há os santos, conquistadores da Graça, que são as estrelas da constelação de Deus.
Mas, às vezes como se órbitas de ambos os universos se cruzassem, esta singular conjunção faz nascer na face do mundo astros novos de esplendor e luz radiante: são os Mártires da Fé.
Para ser Mártir com maiúscula, tem de ser herói, tem de ser santo.
Por isso essa constelação especial pertence inteiramente à Santa Mãe Igreja Católica.
Por isso (triste ironia do destino) tais páginas brilhantes são escritos principalmente por tiranos pelas mãos de seus algozes.
Esta é uma singela homenagem a quatro mártires do ideal cristão. Se seu heroísmo estava cheio de imprudência juvenil, sua virtude estava cheia de Cristo. Foram exemplo até pra seus assassinos!
Javier, Ignacio e Ramón Julián: veem por estas linhas simples do que está em nossos corações!”


__________________________________________________
1- pe. Armando Llorente, SJ (1918-2010) foi Diretor da CM de Cuba por 40 anos após o exílio dele e de todos os Congregados da ilha. Estabeleceram-se nos EUA, onde a CM continua até hoje.