Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2014

O muito que não prejudica

Imagem
Mais vale gastar-se do que oxidar-se. bem-aventurado Alberto Hurtado1 Alexandre Martins, cm.
A cultura latina nos brinda com algumas frases que resumem certas verdades. Uma delas é: “quod abundat non docet”, isto é, “o que é demais não prejudica”. Em certos momento da vida vemos que o excesso de trabalho, de preocupações, e até de alimentação podem fazer mal. É o excesso que nos leva a alguma enfermidade e lembramos de outro ditado que que diz que “menos é mais” e então desejamos ser como os antigos espartanos e ter uma vida frugal e austera. Contudo, em outras coisas da vida o excesso não prejudica. E as Congregações Marianas são um exemplo disso. Passa pela cabeça de alguns Congregados que não se pode participar de muitas atividades da Congregação Mariana. Alegam que talvez possam deixar de lado os compromissos com a família e trabalho e, pior, se tornarem “beatos” e “carolas”. Bem, se a diretoria de uma Congregação Mariana for composta por Congregados que sejam cumpridores de seus de…

A República Mariana

Imagem
Alexandre Martins, cm.
A Sociedade humana se organiza em grupos. De acordo com a história da humanidade, esses grupos se organizam de formas características. As irmandades católicas, e também as confrarias, se organizam de uma forma familiar, como o próprio nome diz. Ou seja, são irmãos que se consideram parte de uma mesma família. Daí o nome “irmandade” (reunião de irmãos) e “confraria” (do latim, “frater”, irmão, também é reunião de irmãos) serem nomeados esses agrupamentos.
O usado na Idade Média Como as irmandades e confrarias foram concebidas na Idade Média, como a primeira confraria mariana que se tem notícia, a fundada pelo início do século XI, em Ravena, Itália, pelo Beato Pedro de Honestis(1049-1119), a sua organização era concebida como as guildas medievais. Uma irmandade tem um chefe denominado Provedor que, como significa o nome, é o que provê as necessidades do grupo, como um pai na sua família, imitando outra instituição quase medieval: os mosteiros e seus abades. Nas …

Templos caem...

Imagem
Alexandre Martins, cm.

“Roma não são os prédios, as pedras;
Roma são os romanos”.
s. Agostinho de Hipona



É humanamente compreensível que apoiemos nossas iniciativas somente em nossos esforços pessoais e físicos. Afinal, é devido ao nosso esforço de acordarmos cedo que estamos na sala de aula. Foi devido ao nosso estudo que passamos no Vestibular. Foi devido à nossa decisão que ingressamos na Congregação Mariana.
Contudo, esquecemos - por orgulho, soberba ou simples idiotice - que “não cai um cabelo de nossa cabeça sem que Deus saiba”[1]. Que somente Deus pode fazer o que quer quando quer[2], e que nós, pobres pecadores, estamos à mercê de várias intempéries de nossa vida.[3]
Muitos de nós quando estudávamos História das Civilizações, e até hoje mesmo, os que ainda a estudam, acham que a Igreja não sucumbiu perante tantos ataques por dentro e por fora somente devido à “proteção estatal” dos reis ou a algum “ardil jesuíta”. É simplório demais pensar assim. Chega às raias da senilidade...
Esqu…

Transferidos

Imagem
Alexandre Martins, cm.
As Congregações Marianas são associações peculiares na Igreja Católica. A organização que possuem atraem tanto elogios quanto críticas. Os que veem na organização um reflexo das coisas de Deus as elogiam e, por outro lado, aqueles que querem um Cristianismo morno as criticam.
Quando uma pessoa ingressa nas Congregações Marianas faz profissão de sua Consagração Perpétua à Virgem Maria. Não se trata mais de um simples membro, de um participante de reuniões ou atividades, mas uma pessoa especial, um genuíno Filho de Maria. Um diploma é dado na ocasião para marcar mais claramente o ato.
A vida mudaMas os revezes da vida nem sempre nos deixam em um mesmo lugar ou nem sempre em uma mesma situação. Mudanças de emprego, de horários, contrair casamento e até mudança de residência podem fazer com que aquela Congregação Mariana que confortavelmente era assistida agora seja quase impossível de ser visitada.
Como fazer? Pedir uma “licença por tempo indeterminado”? Em primeiro l…