Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Pesquisar este blog

A devoção mariana do Papa Pio XII



Antonio Gaspari*
(tradução e adaptação de Alexandre Martins, cm.)


Da Mariologia do Papa Pio XII, bem como outros temas do pontificado e os ensinamentos de seu magistério, falamos terça-feira em um congresso de estudo por ocasião do 70 aniversário da "Summi pontificatus". O encontro, promovido pelo Comitê Papa Pacelli e a revista "Cultura & Libri" teve lugar na Basílica de São Lourenço Extra Muros, em Roma.
O Professor Stefano De Fiores proferiu uma palestra - "Pio XII e mariologia" - e diversos especialistas discutiram outros temas, como a encíclica "Mediator Dei" sobre a Sagrada Liturgia, Pio XII e a Segunda Guerra Mundial, a Questão dos Judeus, a Eclesiologia e Bioética neste Papa, e assim por diante. Os textos completos dos palestrantes serão publicados em uma edição especial da revista "Cultura & Libri". No final do evento, foi exibido o filme "Pastor Angelicus" feito em 1942 pela Produzione Cinematografica Católica, de Romolo Marcellini.
Sobre a Mariologia do Papa Pio XII, padre Stefano De Fiores, da Sociedade de Maria (Montfortinos) explica que com o pontificado de Pio XII (1939-1958), a Igreja Católica vive a era de ouro do movimento mariano pós-tridentino, dedicado a promover o culto de Maria e a doutrina mariológica.
A veneração especial pela Mãe de Jesus atinge o máximo impacto na primeira metade do século XX, a tal ponto que São João XXIII a ela se referiu como “a Era de Maria”.
A devoção de Pio XII a Maria era fervorosa e sua mariologia muito rica. Em 13 de Dezembro de 1894, aos 18 anos de idade, Eugenio Pacelli ingressou na Congregação Mariana dos jesuítas em Roma. Cinco anos depois, em 3 de Abril de 1899, ele escolheu para celebrar sua primeira missa na Capela Borghese de Santa Maria Maior. Ele foi sagrado bispo no mesmo dia em que a Virgem apareceu aos três pastorinhos em Fátima (13 de maio de 1917), e confiou a Ela seu pontificado. O professor De Fiores confirmou que "satisfeito com a visão da dança do Sol, Pio XII expirou em Castel Gandolfo em 9 de outubro de 1958 com o rosário na mão."
A devoção do pontífice também se expressou através de uma série de eventos oficiais (Roschini lista 400 documentos) que procuram promover a presença de Maria na vida e no pensamento da Igreja. Os eventos relevantes do magistério mariano de Pio XII são muito numerosos. Em primeiro lugar, na famosa encíclica "Mystici Corporis Chirsti" (de 29 de junho de 1943), o Papa mostra o lugar da Virgem no Corpo Místico de Cristo, apresentando-a como "alma socia Christi", isto é, Mãe associada o Filho em toda a sua obra redentora. Pouco conhecida, mas de grande importância é a consagração do mundo ao Imaculado Coração de Maria (em 31 de outubro de 1942), que Pio XII fez a pedido do episcopado português no 25º aniversário das aparições da Virgem em Fátima. Durante a guerra, o Papa invocou Maria como "refúgio da raça humana" e confiou à sua proteção maternal o mundo inteiro. Pio XII reiterou este ato de confiança na Mãe de Jesus consagrando a Rússia (em 1952) e Espanha (em 1954). Como continuação destes gestos, Pio XII estabeleceu na Igreja universal a festa do Imaculado Coração de Maria (em 4 de Março de 1944). A Pio XII se deve a promulgação do primeiro Ano Mariano da história, em 1954, para marcar o centenário da definição do dogma da Imaculada Conceição. Foi solenemente inaugurado pelo Papa em 8 de Dezembro de 1953, na igreja de Santa Maria Maior e celebrada com fervor religioso por todas as dioceses do mundo. É famosa a oração composta pelo próprio Papa: "Dominado pelo brilho de sua beleza celestial ...".
O Ano mariano, rico em iniciativas espirituais, culturais, sociais e de caridade, foi solenemente concluído pelo Papa na Basílica de São Pedro em 1 de novembro de 1954 com a coroação do ícone de Maria Salus Populi Romani e a instituição da Festa Litúrgica de Maria Rainha. Esta festa foi justificada teologicamente na encíclica "Ad Caeli Reginam" (de 11 de outubro de 1954) demonstrando fundamentos bíblicos e eclesiais para sua legitimidade.
Pio XII amava a popular oração do rosário, que ele descreveu como "o compêndio de todo o Evangelho", uma expressão que retomou Paulo VI, em "Marialis Cultus" (nº 42), mas também como “uma meditação sobre os mistérios do Senhor”, “sacrifício da tarde”, “coroa de rosas”, “hino de louvor”, “oração da família”, “promessa segura de favores celestiais”, “penhor de salvação” e de “esperança para curar os males que afligem o nosso tempo”.
O padre De Fiores disse a agência Zenit que "Pio XII permanecerá na história da fé católica, sobretudo, pela definição dogmática da Assunção de Maria em corpo e alma para o céu."
Seguindo o exemplo de Pio IX para o dogma da Imaculada Conceição, com a encíclica "Deiparae Virginis" (de 1 de maio de 1946), ele consulta a todos os bispos católicos se eles consideraram oportuna a definição da Assunção (haviam 8.036.393 assinaturas a favor). Recebida resposta afirmativa, o Papa, em 1 de Novembro de 1950, na presença e na comunhão com o colégio de cardeais, 700 bispos e com a multidão comum a grandes eventos eclesiais, pronunciou a fórmula que a define:
"Pelo que, depois de termos dirigido a Deus repetidas súplicas, e de termos invocado a paz do Espírito de verdade, para glória de Deus onipotente que à virgem Maria concedeu a sua especial benevolência, para honra do seu Filho, Rei imortal dos séculos e triunfador do pecado e da morte, para aumento da glória da sua augusta mãe, e para gozo e júbilo de toda a Igreja, com a autoridade de nosso Senhor Jesus Cristo, dos bem-aventurados apóstolos s. Pedro e s. Paulo e com a nossa, pronunciamos, declaramos e definimos ser dogma divinamente revelado que: a imaculada Mãe de Deus, a sempre virgem Maria, terminado o curso da vida terrestre, foi assunta em corpo e alma à glória celestial".

Foi um evento memorável na história da Igreja, que o próprio Pio XII interpretou com estas palavras: "Como abalado pela batida de seus corações e comoçãoa de seus lábios, vibram as pedras desta Basílica patriarcal e junto delas parecem gritar com tremores arcanos os inúmeros templos antigos, levantadas em todos os lugares em honra da Assunção".





(*) estudo do Congresso dos 70 anos da "Summi Pontificatus", ROMA, 27 de outubro de 2009 - Para obter informações sobre a conferência: www.comitatopapapacelli.org - Antonio Gaspari, traduzido do original italiano por Patricia Navas.