Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Pesquisar este blog

The Little Badge


evolution of the Sodality badge

Alexandre Martins, cm.

 

With the rediscovery of the sodalities of Our Lady by the youth of the century, several characteristic peculiarities were also rediscovered and became the object of discord or dismay, incredible as it may seem. 

the sodalities of Our Lady around the world have begun to adopt a sign that took the Marian Sodalists be featured in everyday society. As the ancient Knights Templar, bearing the Cross of Christ in their everyday clothes, the Sodalists Marian invented the use of a distinguishing itself for everyday use. 


Not enough use of the medal in liturgical ceremonies. Felt in the hearts a need to show to the whole world, to all people, pride in being a favorite son of the Virgin Mary. For that is the main reason for using the badge: proud to be a son of Mary and propagate this special devotion all the time, on any occasion. 


In the fervor of the early twentieth century, the sodalities of Our Lady propagated due to various reasons. And, as an army of Mary, felt the natural need for increased organization. How to show the world the sodalities of Our Lady through just a symbol? It was the time of the Nazi swastika, the hammer and sickle of communism, the sigma of the Integralists ...
sodalities of Our Lady could not shut up.


The Brazilian badge [1] emerged in Rio de Janeiro (RJ) in the 1920s by drawing a carioca Marian Sodalist. How are Sodalists Marian Mary Queen of soldiers,
knights are also hers. It is only natural that the format was a medieval shield. Was topped by three points, symbolizing the three cardinal virtues. Format gave his nickname by locals: the "escudinho" (the Little Badge). The primary color blue should be, of course. But it would be a more "masculine" blue, given that the vast majority of sodalities of Our Lady of the time were men. We opted for the cyan blue, a darker blue than the blue of Mary Liturgical this clearer. About it, a Latin cross on white, symbol of purity of Mary and also the purity of the Marian Sodalist. 

The golden crown is one of Marian symbols representing the sacred kingship of Mary. Under the initials "A" and "M" of "Ave Maria" (Hail Mary), the angelic salutation given to the Virgin (Lc2, 16). Was a common monogram at the time and used a long time ago. 


Quickly the sodalities of Our Lady throughout Brazil used this new mark for the first time in history. Marked the action of associations created by the Jesuits. Stamps, letters, m tones, and all printed material of the sodalities of Our Lady and the wall of the seats, was seen the badge. In Manual of Sodalists taught the practice to pronounce "Hail Mary" when Sodalist put him in his lapel morning to dress up. 


Was not long before it was made a lapel. It was a time when the austere standard and English menswear was gray or black suit, using any prop drew attention. It would be like the daily use of football shirts nowadays. This is proof that "ashamed" was not customary among Brazilians Marian Sodalists. 


Were of various sizes and models, such as jacket (with long pin) of the shirt (as brooch) but all gold-plated. 


It was actually the symbol of the sodalities of Our Lady of Brazil since appeared in the official flag and was on the cover of the editions of the Handbook of Sodalists. 


In 1953 was founded in Rome the World Federation of sodalities of Our Lady. The Pope Pius XII himself was encouraging element of this institution. Natural outgrowth of the International Congress of the Lay Apostolate, where it was realized that the sodalities of Our Lady did not have an international body that could represent. 


Like any institution, there is a need for a symbol, a mark. And, to the surprise of all Sodalists World was chosen a brand that was created decades ago in Germany. The "Chi-ro" monogram happened during a meeting of the Marian Congregations in Germany [2] 1920s - pre-Nazism - which was first used in flags of sodalities participants. 


It was the unfolding of a mark used by ancient Christians and the Church since the days of the catacombs of Rome. 


The first Sodality of Our Lady was also the first to adopt the new badge. The other sodalities of Our Lady of the World followed suit. Neither can you say "new distinctive" because only Brazil was in constant use of a symbol for their sodalities of Our Lady's Sodality medal beyond. 


The First World Congress of the sodalities of Our Lady in 1954 [3] it was decreed that the sodalities of Our Lady would adopt what was the symbol of this Congress, only used by Germany - which he left to create monogram - and 8 more countries , included Italy. As Brazilians sodalities were "tuned" to follow the model proposed by Rome, we used the current badge that was also used by the Sodality "Press-Primary". Shortly after the National Eucharistic Congress held in 1955 in Rio de Janeiro (RJ) solves the CNCMB after meeting with representatives from all over Brazil to adopt the "distinctive Press Primary". The excitement was great: we were "tuned" to the Catholic World! 


This monogram means the first two letters - X and P - the name of Christ in Greek (χριστος = "Kristos" = anointed). The letter "M" is for Maria. So symbolically means "to Christ through Mary." The Blue is the color of Mary. The golden color of Christ the Priest. The hexagon is the representation of creation, as the number six has this meaning - the world was created in six days - simbolizando4 we should create something from the Sodality, as our apostolate. Monogram (XP or Chi-route) is the ancient practice, and even liturgical objects found in the Catacombs of St. Priscilla in Rome dating from the second century. The letters I (Iota) and X (chi) are the Greek initials of the words Khristos Iesous (Jesus Christ). The symbol appears in posteriormente5 called "Confirmation of Constantine". This junction remains to this day in the liturgical representation. 


The use of the hexagon was the World Federation of use only to give a pleasant and cohesive to monogram format. The blue and yellow colors symbolize Mary (blue) and sacredness (yellow color of the Sun, classical representation of the deity, in the case of Christ, Sun of Justice). 


However, some sodalities of Our Lady - more by ignorance than anything else - do not bother with it and continued to use the flag with the old badge. But at the time also emerged of an association that would use the ancient symbol of the sodalities of Our Lady to mask their real purposes: the Society for the Defense of Tradition, Family and Property - TFP. Created by Plinio Corrêa de Oliveira - a former Sodalist Federation of São Paulo (SP) - TFP for decades would prove as a kind of "sponsor" of social and religious values ​​and 1950s. And the use of the old badge as its symbol in Brazil was because the first members were all Sodalists paulistanos Marian, as well as its founder. The official symbol of the entity was a "lion rampant" armorial, but in Brazil its members wore on their lapels the old badge of sodalities of Our Lady. The intent was simple and clear: as sodalities of Our Lady always been seen as defenders of the Faith and propagator of Christian good deeds, using the Marian distinctive members of the TFP wanted to give legitimacy to their association. But it was also an attitude of rejection of the "modern" Vatican II, hated by members of the TFP as well as repudiation of the popes since John XXIII. 


From the 1960s, however, who used the old badge was identified as a member of the TFP, because all Sodalists Marian embraced Rome.


members of TFP with the old bage of the Sodalities

 The Brazilian National Confederation in 2002 also created a variation of the distinctive monogram composed solely for the Sodalists of Brazil use. What actually is a "setback" to that used in the Congress of German sodalities of Our Lady, 1920. Unsurprisingly, since it is already used by other sodalities such as the World of Medellin (Colombia) and even the Christian Life Communities, linked to the Jesuits, though more stylized. 

In the early twenty-first century, new generations of Sodalists Marian as relexo of his time, began a "wave of nostalgia" and sought the experiences of sodalities of Our Lady of the past. The young Catholic in the 2000s was disappointed with a Catholic pastoral activity which for many was closer to Protestantism. And even with the promulgation of Summorum Pontificum of Pope Benedict XVI, felt that they were "legitimate" to seek the Old. 


In sodalities of Our Lady of the logo that "back in time" was the use of the old badge escudinho by young people. 


But keep the tradition of the sodalities of Our Lady - and, of course, its effectiveness - not only passes by symbols and externalities that sodalities of Our Lady of Brazil have always liked, but in return the inner practices and sense of honor that always permeated Marian Sodalist life. 


Being a Christian who has pride of being a special son of the Virgin Mary to act both in his spiritual life as for your everyday, sincere, loving and pure straight form is the real tradition. This is the inside of the Marian Sodalist that makes a difference when we see the badge on their clothes. Without this inner overflowing to the outside we have a foot soldier but a carnival reveler wearing a soldier clothing. 


It is for this reason that some who use the blue tape has more "presence" than others. People get it when they see them. Some know what they are seeing, others not, but all feel in their hearts that the Marian Sodalist "is different." It is the interior that goes to the outside. The badge is an excellent means of propaganda Sodality. Currently all serious organizations use some form of symbol. And the sodalities, very serious as they are, could not fail to have its. Large business corporations japonesas6 insist their employees to use the pins of the company even in the everyday environment: for them, an advertisement, for the employee, an honor to join a great company. 


It is said that a parliamentary Sodalist Marian [7] purchased the Federation of Rio de Janeiro eight badges. Anyone surprised the amount. He explained: "It is that I will travel and take eight suits. I want a badge in each suit in order not to forget at home when changing suit. " There was a motto in Brazil [8] widespread, "where the badge can not be, can not be Sodalist". Served especially for young people who would not use it in somewhat vulgar dances. If they do not like to use his badge in those doubtful places, the more should not remain in them.


reception of Sodalists using the actual badge. Sodality of Our Lady in Bucaramanga (Colombia) - 2013

Always encouraged the Marian Sodalist using distinctive daily. But the vast majority did not use, even in time of great Marian activity. That does not matter either. Again, the interior promotes overseas. If Marian Sodalist is proud of what it is and want to show that love to others so that they too can benefit from it, so he often seek ways to use the badge in accordance with the prudence and common sense. Use the badge as a form of apostolate, not as a simple garnish prejudiced or ostentation. 

And the daily badge remains one of the best ways to see the inner life of each Marian Sodalist. 


Hail, Mary!




________________________________________________
1 - Antonio Maia , cm - lecture at the Sodality " Cappuccini " , Tijuca , Rio ( GB ) 1995 

 2 - magazine " Acies ordinata " 1954
 3 - World Assembly of the Sodality of Our Lady , Rome , Italy , 1954 - 7th Conclusion
 4 - Schlesinger & Porto , Hugo & Fr. Humberto - " Beliefs , Cults and Religious Symbols ," Ed Pauline, S. Paulo ( SP ) , 1983.
 5 - Lesage , Canon Robert - " Liturgical Vestments and Objects " - Catholic Encyclopedia in the Twentieth Century ( part 10) - translation of the Religious of the Virgin Company , Ed Flamboyant , S. Paulo ( SP ) , 1960.
 6 - Martins , A. - " Questions to a Sodalist" , Gonçalo S. ( RJ ) , 2005 - pp . 34 to 38
 7 - Fr. Paul J. de Souza , SJ , in " Marian Life " , p. 37
 8 - Ibid , " p. . 37...

O Cerne Duro



Alexandre Martins, cm.

Algumas expressões idiomáticas do Espanhol são utilizadas quando em vez em nossa língua e dão um ar de “novo àquilo que já conhecemos por outro nome.
“Cerne duro” pode ser entendido como “núcleo” ou popularmente como “a panela”.
Há “panelas” em todas as associações, sem exceção. São aqueles que se dedicam integralmente à Causa, que a abraçam sem restrições.

Associações eclesiais e seus núcleos
Nas associações da Igreja há sempre uma “panela”: na Canção Nova são os que vivem com suas famílias em casas da associação formando a comunidade física em torno do fundador, monsenhor Jonas Abib. Eles cantam, pregam (coisa estranha a um leigo), viajam às custas das doações dos benfeitores e o que arrecadam revertem para a comunidade. Vivem exclusivamente para isso homens, mulheres e crianças. Famílias inteiras.
No Opus Dei, são os chamados “numerários”, ou seja, homens e mulheres, jovens e adultos, que deixaram suas famílias para viver em casas preparadas, separados por gênero, aonde moram, rezam reúnem os chamados a assistir as palestras proferidas por algum sacerdote da Obra, em um cômodo convertido em capela. Todos os numerários trabalham preferencialmente no magistério, doando integralmente seus altos salários para o Opus Dei, pois a maioria tem doutorado em suas áreas.
No Movimento de Vida Cristã, os chamados “sodálites” vivem em celibato em comunidades e se dedicam a obras que os superiores do Movimento decidem criar ou desenvolver. Suas despesas são pagas pelo Movimento.
Como se percebe, em todos os movimentos e associações eclesiais ditas “eficientes” da Igreja existem o “cerne duro” ou a “panela”. São eles que motivam os demais membros a se organizarem e mantém o ânimo de cordo com o ideal ou o carisma da Associação.
Um detalhe importante: sempre há sacerdotes unidos a eles, e não somente clérigos, mas pessoas que são imbuídos ou mesmo formados dentro das associações, que tiveram sua vocação despontar dentro dela e, por isso, sentem que possuem uma dívida pessoal com a associação.
Nas Congregações Marianas
Nas antigas Congregações Marianas existiam aqueles que eram os mais fixos, em geral os que foram os primeiros Congregados, os fundadores. Antes do Concílio Vaticano II, algumas Congregações Marianas do Canadá1 resolveram criar uma seção especializada dentro delas, à qual chamaram de “Sociedade Leunis”, em memória ao criador das Congregações Marianas. Essa seção, composta exclusivamente por Congregados, se dedicava a uma vivência mais profunda dos Exercícios Espirituais. As Congregações Marianas de antigamente possuíam seu “cerne duro”.
Isso não acontece mais com as Congregações Marianas.
Com a mudança das Regras Comuns para os Princípios Gerais, houve uma perda de continuidade das primeiras Congregações Marianas para as chamadas Comunidades de Vida Cristã. A maioria esmagadora dos Congregados marianos não se viu representada em uma espiritualidade que pouco refletia o que tinha sido vivido até então e deixaram as Congregações Marianas que haviam se transformado em diferentes grupos. Com isso, aquele núcleo que existiu e era o mantenedor da obra foi partido ao meio e alguns até acabaram por completo. O que não quer dizer que perderam a Fé ou o entusiasmo apostólico, pois muitos migraram para outras associações ou movimentos ou ainda foram fundadores de novas associações.
O dado importante e terrível foi que as Congregações Marianas, em sua maioria, perderam o seu “cerne duro”, a sua “panela”, formada por homens e mulheres que viviam intensamente o carisma da Consagração à Maria nas Congregações Marianas. Sem esta parcela de Congregados que viviam, pensavam e respiravam a atmosfera autêntica das Congregações Marianas, cedo ou tarde as mesmas começaram a perder suas características e sua identidade.
Aonde buscar os exemplos de vida dos que passaram pelos mesmos problemas que nós? Aonde tirar dúvidas que todo o aspirante tem? Como olhar para o lado e ver alguém que tem sua medalha antiga e uma atitude serena de quem estava ali até mesmo antes de nascermos?
Não havia mais “cerne duro”, não havia mais “panela”. Não havia alguém que sentia a espiritualidade católica pelo prisma de Santo Inácio e que não tinha nenhuma afetação de fora.
Quando não há essa “turma do interior”, não há as verdadeiras Congregados, ma existem os que “também são Congregados”, isto é, os que são participantes de outras espiritualidades e movimentos e, nas horas vagas, visitam a Congregação Mariana.
Daí é que surgem as incompreensões e letargias no apostolado. É como se alguém estivesse conversando conosco mas seu pensamento está longe. Não está acompanhando nossa conversa. Da mesma forma que esta situação não leva a lugar nenhum, a pessoa que está em uma Congregação Mariana e não absorve completamente o estilo de vida do Congregado não terá o desenvolvimento adequado nem para si e muito menos para a própria associação.
Uma utilidade urgente
Certamente nem todos os Congregados marianos podem ser do tipo “dedicação integral”. Muitos estão na Congregação Mariana para adquirirem formação adequada para seus apostolados, outras como uma devoção interior e etc. Mas toda a Congregação Mariana deve ter sua “panela”, o seu “núcleo”, o seu “cerne duro”. Estes “escolhidos” sim, devem respirar a Congregação Mariana, suas tradições e ação. Devem amá-la acima de qualquer outra coisa pois sabem que estão em uma estrada pavimentada e bem sinalizada rumo ao Céu. São estes que manterão a Congregação Mariana funcionando adequadamente; são estes que formarão seus sucessores; são estes os que serão vistos como exemplo para os demais; são destes que naturalmente surgirão os diretores em cada eleição interna.
Se uma Congregação Mariana são tiver em seus quadros ao menos três ou quatro Congregados assim, então estará fadada ao fracasso e ao fechamento, mais cedo ou mais tarde. A experiência nos ensina isso.
Não é impossível que existam pessoas com essa dedicação. Há os que se identificam por completo com as Congregações Marianas e o seu jeito de ser Igreja. Não querem ser outra coisa senão um Congregado mariano. São esses que mantém a Congregação Mariana aberta e funcionando.
São também esses que mantém a Congregação Mariana quando da mudança do Assistente Eclesiástico. Eles são os primeiros a receber o novo sacerdote, explicar a ele a vida da Congregação Mariana, das formas de agir dentro dela de acordo com nossa tradição. O sacerdote vê nesse grupo os seus cooperadores mais fiéis e imediatos.
Existir uma “panela” em uma Congregação Mariana não é “impedir o progresso” como se pode pensar a princípio, mas fazer com que a vida da Congregação Mariana não saia dos eixos e se descaracterize. Talvez seja uma dádiva da Virgem Maria às suas Congregações que isso não ocorra.
Que a Virgem Mãe das Congregações mantenha os seus filhos preferidos no comando de suas centenárias associações.

________________________________________
1- Alberton, Valério, SJ – in “Estudo sobre os Princípios Gerais das CCMM” - Federação das CCMM de Curitiba, PR, 1967

O Celeiro de Vocações

jovens Congregados marianos no Encontro Nacional em Aparecida (SP), 2012


Alexandre Martins, cm.


Em um artigo publicado pelo jornal italiano L'Osservatore Romano em 2013 (“Crise das vocações religiosas? É culpa do zapping”) o franciscano José Carballo1 apresenta números preocupantes: em cinco anos, a Pontifícia Congregação para a Vida Consagrada concedeu 11.805 dispensas entre indultos, decretos de renúncia ou secularizações. No mesmo período, a Pontifícia Congregação para o Clero concedeu 1.188 dispensas de obrigações sacerdotais e 130 de obrigações do diaconato. Ou seja, em cinco anos, 13.123 religiosos ou religiosas abandonaram a vida religiosa, mais de 2.600 por ano.
Em 2014, ocorreu o 2º Seminário sobre a Formação Presbiteral, em Aparecida (SP). Uma iniciativa da Organização dos Seminários e Institutos do Brasil (Osib) e da Comissão Episcopal para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada da CNBB. Grupos com a missão de animar a formação dos futuros sacerdotes e dos formadores na Igreja do Brasil. O arcebispo de Aparecida (SP) e presidente da Conferência dos Bispos, cardeal Raymundo Damasceno Assis, participou da solenidade de abertura, no subsolo do Santuário Nacional. A proposta do evento foi refletir sobre a formação dos seminaristas na perspectiva humana e cristã, a partir do tema “Presbíteros segundo o Coração de Jesus para o mundo de hoje” e lema “Corramos com perseverança com os olhos fixos em Jesus” (Hb 12, 1-2). O objetivo principal é contribuir com ações efetivas na formação presbiteral. O assessor da Pastoral Vocacional da CNBB, padre Valdecir Ferreira, disse que o encontro é para avaliar a formação presbiteral no Brasil no contexto atual. “Percebemos o quanto essa juventude que ingressa em nossos seminários passa por mudanças significativas. Portanto, olhamos com muita esperança para a formação e ao mesmo tempo com preocupação”. O presidente da Osib, padre Domingos Barbosa Filho, explicou que após 13 anos da realização do último seminário é necessário buscar novos métodos formativos: “Diante das novas diretrizes da formação presbiteral, conforme o Documento 93 da CNBB e considerando os novos tempos, se julgou oportuno que fosse repensada a formação: os tempos mudaram, surgiram novos desafios, os jovens que recebemos nas casas de formação trazem problemáticas novas”.
Neste seminário uma pergunta foi insistentemente feita a todos e ao que parece ficou sem resposta ou, pior, saíram do evento com a resposta que “depende”... O relativismo impera inclusive nas determinações de alguns encontros.


sacerdotes e diáconos das Congregações Marianas no Corpus Christi 2012
O celeiro de vocações
Todo o Congregado mariano, já escutou a famosa frase; “as Congregações Marianas são celeiro de vocações”. Mesmo que os da cidade não saibam o que seja celeiro ou, se o sabem , não veem a relação com o assunto, entendem que essas associações dão vocações à Igreja.
Um celeiro é um lugar aonde se armazenam os grãos que serão consumidos, bem como o estoque das mais variadas coisas que serão úteis à fazenda ou que serão comercializadas. Os grãos, por exemplo, ficam lá, armazenados, quietos, esperando que o fazendeiro faça uso deles quando precisar.
È isto que os papas viam nas Congregações Marianas: os celeiros aonde estavam estocadas as vocações religiosas ou sacerdotais que iriam ser usadas na hora propícia.
No Século XX o próprio Papa Pio XI oferecia uma solução:
“...a penúria de sacerdotes é, por desgraça tal, que em absoluto já não alcança a remediar as necessidades das lamas, é quando mais devemos confiar na (Congregação Mariana) para que ajude e supra, oferecendo e multiplicando, com numerosos colaboradores deste estado laical, tão considerável escassez de Clero.”2

Hoje em dia é proibitivo dar preferência a esta ou aquela associação, não se pode favorecer a nenhum movimento, então os sacerdotes em sua maioria promovem encontros genéricos, aonde jovens são chamados quase sem critério, confiando nas luzes do Espírito Santo. É uma idéia romântica, e o que se vê são jovens que ainda não amadureceram a sua vida espiritual ou são apoiados por outros padres que os têm como “plantinhas em cultivo”. Na realidade, mesmo um padre zeloso não terá perto de si, em acompanhamento espiritual mais do que 3 ou 4 jovens vocacionados.

As associações de fiéis
Mas, procurando responder a pergunta dos padres do encontro, aonde e como resolver o problema das vocações sacerdotais?
A nosso ver, pela experiência e conhecimento conseguidos, são as associações religiosas que são as fornecedoras de vocações sacerdotais e religiosas. Simples assim.
Mas como as Congregações Marianas, várias associações e mesmo os movimentos eclesiais são aonde brotam e se desenvolvem as verdadeiras vocações. São em seus ambientes piedosos e genuinamente cristãos que um jovem sente o chamado para o Altar. São nas associações religiosas que uma vocação é colocada à prova e se verifica que não foi apenas uma ideia passageira, mas uma semente que se transformará numa árvore frondosa e forte.
Um extrato3 do relato de apostolado do fundador dos Padres Dehonianos exemplifica:
Em agosto de 1877 Pe. Dehon explicou no Instituto Lecompte, depois Instituto São João, as grandes linhas pedagógicas de sua obra. Queria dar à juventude da classe dirigente uma formação marcadamente cristã. Para conseguir estes objetivos, ele segue a mesma linha do Patronato e do grupo de jovens do Liceu: uma forte peso à piedade e ao apostolado, a criação de pequenos núcleos que animam os outros. A 16 de janeiro de 1878 foi fundada uma Conferência Vicentina como meio de apostolado. Geoffroy foi seu primeiro presidente. Dos doze primeiros membros saíram muitos sacerdotes: Geoffroy, Waguet, Delloue. Eugênio Lecomte morreu como seminarista. Pouco depois foi iniciada uma Congregação Mariana a qual também preparou muitas vocações, por exemplo, Emílio Black, que morreu poucos meses depois de professar na Congregação.
À guisa de conclusão da pastoral vocacional de Pe. Dehon nos diversos grupos de jovens, tanto na paróquia quanto no colégio, podemos afirmar que uma vocação normalmente nasce:
- num ambiente marcadamente cristão.
- na formação de lideranças em pequenos grupos.
- no apostolado junto aos outros.
- no acompanhamento que se dá aos jovens.
Os métodos daquele tempo são diferentes dos atuais. Os princípios, porém, são estáveis. Se quisermos ter vocações temos que formar a juventude. (grifo nosso)

jovens Congregados marianos em palestra de formação (São Paulo, 2011)
O valor inestimável das Congregações Marianas para as vocações
Como Congregado mariano, evidente que posso indicar as Congregações Marianas como uma “torneira de vocacionados” para a Igreja, pois a história de mais de quatrocentos anos de nossa associação assim o demonstra.
São fundadores de Ordens e Congregações religiosas os Congregados marianos Vincente Pallotti, Afonso de Ligório, Camilo de Lélis, João Eudes, Luís Maria Grignion de Montfort, Antonio Maria Claret, Pedro Chanel, Julião Eymard, Madalena Sofia Barat, Júlia Billiart, Francisca Xavier Cabrini, Vicenza Gerosa, Bartoméia Capitânio, Guilherme Chaminade, dentre vários outros.
(Na Congregação Mariana) há de querer-se, com razão, como um caminho e método que a Igreja utiliza para comunicar as nações toda a sorte de benefícios, caminho e método, dizemos, que parece pronto pelo favor e providência de Deus para que a Igreja mova e atraia docemente à Lei e à Doutrina Evangélica aos que, por não ter relação nem convívio com sacerdotes, se iriam facilmente atrás dos enganos e ardis perversos dos homens agitados.”4
Consultada a história, conhecemos florecentíssimas Congregações Marianas de sacerdotes. Também hoje existem magníficas Congregações destes em muitos países. Muitos são os Seminários donde tem vigor extraordinário as Congregações Marianas. Acomodam-se às exigências ministeriais e circunstâncias locais e de tempo. Delas tem saído fundadores de Ordens religiosas iniciadores de grandes obras de apostolado católico.”5

Uma solução simples
Então, para conseguir novas vocações precisa-se de encontros, caminhadas e tantas atividades? Cremos que não. Basta apenas o bom sacerdote ser zeloso com as associações de sua paróquia, dar mais atenção a cada um de seus membros e necessariamente as vocações irão surgir em tanta quantidade quanto os peixes na rede dos apóstolos.
È mais fácil do que se pensa.

Salve, Maria!


___________________________________________________________
1- secretário da Congregação para a Vida Consagrada, pe. José Rodríguez Carballo, OFM
2- Papa Pio XI em Carta ao Cardeal Bertran (13 de novembro de 1928)
3- Disponível em http://www.scj.org.br/pastoral-vocacional-do-padre-dehon/ Acesso em 1/2/14
4- ibid. Nota 2
5- D. Pablo, Bispo de Bilbao, Espanha, em Apresentação à edição espanhola do livro “Magistério Pontifício das CCMM”, Espanha, 1959.