Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Pesquisar este blog

Os símbolos do Natal



Alexandre Martins, cm.(org)


Uma tradição cristã contruída  através dos séculos, dentre os principais sinais e símbolos natalinos estão:
  1. a árvore de Natal, 
  2. o presépio e seus personagens, 
  3. a guirlandas nas portas das casas,
  4.  a coroa do Advento com suas quatro velas, 
  5. a estrela de Belém, 
  6. os enfeites natalinos, 
  7. a figura do Papai Noel
  8.  as meias e sapatos na janela ou na lareira, 
  9. os sinos, 
  10. os cânticos, 
  11. as velas, 
  12. a iluminação da árvores, das casas, e dos locais públicos, 
  13. a ceia familiar com seus pratos típicos 
  14. a troca de presentes. 

Cada um tem seus significados, curiosidades e história particular, mas a maioria dos símbolos natalinos tenta ajudar as pessoas a penetrarem um mistério: a encarnação do Verbo Divino. 

Para os cristãos, o Deus Único tem um Filho e O enviou ao Mundo. Não foi uma "aparição" apenas, mas Ele se fez homem, na Judéia, atual Palestina. 

Nenhum período do ano tem tantos símbolos católicos.


Quem inventou a Árvore de Natal?


O "inventor" da Árvore de Natal foi São Bonifácio, chamado "o Apóstolos dos Germanos" ou "o Evangelizador da Alemanha". Nascido na Inglaterra em 672 e faleceu martirizado em 5 de junho de 754. Seu nome religioso, em latim Bonifacius, quer dizer “aquele que faz o bem” e possui o mesmo significado do seu nome em saxão, Wynfrit.

São Bonifácio, o Apóstolos dos Germanos
Em 718 ele esteve em Roma e o Papa Gregório II enviou-o à Alemanha, com a missão de reorganizar a Igreja no local. Por cinco anos ele evangelizou territórios que são hoje os estados alemães de Hessen e Turíngia.

Em 732, em Roma, o Papa Gregório II deu a São Bonifácio o pálio de arcebispo com autoridade sobre a Alemanha. Ele é representado com vestes episcopais, mitra, um livro atravessado por uma espada e um pé sobre o tronco do carvalho abatido, símbolo do esmagamento da religião pagã.

 

 

Quando surgiu a Árvore de Natal?


Em 723 São Bonifácio derrubou um enorme carvalho dedicado ao deus pagão Thor, perto da atual cidade de Frizlar, na Alemanha. Para convencer o povo e os druidas (os sacerdotes pagãos) de que não era uma árvore sagrada e que não seria castigado pelo falso deus, ele a derrubou com um machado.

Esse acontecimento é considerado o início formal da cristianização da Alemanha.

O carvalho ao cair destruiu tudo ao redor menos um pequeno pinheiro e, segundo a tradição, Bonifácio interpretou esse fato casual como um milagre. Como era o período do Advento e como ele pregava sobre o Natal, declarou: “Doravante, nós chamaremos esta árvore de Árvore do Menino Jesus”. 

O costume de plantar pequenos pinheiros para celebrar o nascimento de Jesus estendeu-se pela Alemanha e de lá para todo o Mundo.
.
A simbologia da árvore é uma das mais espalhadas em todas as culturas. A árvore está presente na Bíblia, desde as árvores do jardim do Éden - em especial a Árvore do Bem e do Mal -  até a “árvore” da Cruz de Jesus.

Existem várias explicações para a origem do costume de cortar a árvore, levá-la para dentro de casa e enfeita-la, baseada na tradição bíblica. O simbolo da árvore de Natal é bem anterior ao do presépio e mais universal.


Por que um pinheiro?


Por que essa planta cresce mais rápido, fica verde mais tempo. Várias comparações do pinheiro cristão com o carvalho pagão foram destacadas pela Igreja, desde o inicio dessa tradição.

O pinheiro mantém-se verde, em pleno inverno, quando todas as outras árvores, inclusive os carvalhos, amarelam e perdem as folhas. O pinheiro tornou-se símbolo da Igreja, que mantém a esperança sempre viva (o verde constante) na vinda de Jesus Cristo apesar de todas as dificuldades e perseguições que sofre e, como crescimento do pinheiro é constante, também é constante o crescimento da Cristandade no Mundo. 

Sua forma triangular foi vista por São Bonifácio como um símbolo da Santíssima Trindade.


Por que enfeites na árvore de Natal?


A tradição cristã assimilou a árvore de Natal como uma Nova Árvore da Vida, substituindo a árvore do Jardim do Éden (a Árvore do Bem e do Mal citada em Gn 2,9). Ao contrário da história do Éden sobre a Serpente e o Fruto Proibido. No tempo de São Bonifácio, as árvores de Natal eram enfeitadas com maçãs, evocando a nova frutificação e o antigo pecado original. o (a “maçã”) a árvores de Natal passaram a evocar "vida e salvação plantadas nas casas".

 Como a árvore também é símbolo da Igreja, os enfeites brilhantes são também símbolos dos santos que embelezam a vida da Igreja de Cristo.

As árvores também eram decoradas com velas, que simbolizam Jesus, Luz do Mundo. O costume difundiu-se pela Europa.

Uma das primeiras referências registradas dos enfeites é do século XVI e vem da Igreja na Alsácia, Alemanha. As famílias decoravam os pinheiros com papéis coloridos, enfeites, frutas e doces. Espalhada por toda a Europa, a tradição de enfeitar a árvore de Natal chegou ao continente americano por volta de 1800.


Qual o simbolismo das bolas?

É costume enfeitá-la com bolas coloridas, como se fossem frutos, e com outros adornos natalinos. Os enfeites simbolizam virtudes, desejos e sonhos das pessoas e da casa onde está a Árvore de Natal. 

Desde o século VI, a tradição da árvore de Natal se desenvolve: trocaram-se as perecíveis "maçãs da árvore do Éden" por bolas e enfeites, simbolizando os frutos da vida.

As tradições familiares variam. Alguns colocam 12 bolas ou múltiplos de doze para evocar os Doze Apóstolos. Outros, 33 bolas, os anos da vida terrena de Jesus. Outros adornam progressivamente a árvore de Natal com 24 a 28 bolas, dependendo do número de dias do Advento. Outros ainda adornam a árvore de uma só vez, as crianças elaboram suas próprias bolas. em outras famílias, as bolas são colocadas com uma oração ou um propósito em cada uma, até o nascimento de Jesus.

Para algumas comunidades religiosas, as bolas simbolizam as orações do período do Advento: as azuis são de orações de arrependimento, as prateadas de agradecimento, as douradas de louvor e as vermelhas de prece.


Por que as bengalas, os 3 sinos e os 7 anjinhos?


Os enfeites da árvore de Natal são um espaço de liberdade, arte e poesia para a criatividade familiar. 

Os 3 sininhos simbolizam a Santíssima Trindade e também costumam adornar guirlanda do Natal, na entrada das casas.

Os 7 anjinhos representam os espíritos angélicos, os anjos dos pequeninos diante de Deus, contemplando e intercedendo por todos (Mt 18,10).

As bengalinhas evocam a caminhada, o trabalho de cada um e também o pastoreio de Jesus, o cajado do Bom Pastor.

Também colocam-se pequenos e bonitos pacotinhos e presentinhos pendurados na árvore ou aos seus pés. Eles representam as boas ações e os sacrifícios, os "presentes" que serão dados a Jesus no Natal.


O que faz uma estrela no topo da árvore de Natal?



Ela ilumina, orienta e aponta para os céus. Na ponta do pinheiro, no alto da árvore de Natal, costuma-se colocar uma estrela, luminosa. Na parte mais elevada, simboliza a Estrela de Belém, a estrela-guia dos magos do Oriente (Mt 2,2.9.10)

Para os católicos, no topo da árvore de Natal a estrela também representa a Fé que deve iluminar a guiar as vidas dos cristãos, coroando suas cabeças. Essa estrela-guia, com jeito de cometa, também é colocada ou representada por luzes desde a manjedoura de Jesus no presépio até o alto de edifícios nas cidades.


Quem inventou o presépio?


Foi São Francisco de Assis quem armou o primeiro presépio da história, na noite do Natal de 1223, em Greccio, Itália.


São Francisco de Assis quis celebrar o Natal de forma mas realista possível e, com a permissão do Papa, montou um presépio de palha, com uma imagem do Menino Jesus, da Virgem Maria e de S. José, juntamente com um boi e um jumento vivos. Nesse cenário foi celebrada a Missa de Natal. O costume espalhou-se pela Europa e de lá para todo mundo. 

A Igreja Católica considera um bom costume cristão armar presépios no período do Natal em igrejas, casas e até em praças e locais públicos.

 

Quais os personagens originais do presépio?


Os personagens originais do presépio representavam, no estábulo em Belém, as cenas ocorridas após o nascimento de Jesus. Inicialmente, os presépios limitavam-se ás figuras do Menino Jesus, Maria e S. José. Com o tempo, os católicos foram enchendo seus presépios com figuras de pastores, Reis Magos, artesãos, lavradores, pescadores e outras dos relatos dos livros evangélicos e até dos livros apócrifos.

Inicialmente, a presença no presépio do jumento e do boi resultou de uma interpretação cruzada de uma passagem do livro de Isaías (1,3) com outra de Habacuc (3,2)

 Há presépios célebres, com centenas de imagens de barro ou de outros materiais. O presépio é, dos símbolos do Natal, o mais inspirado nos Evangelhos.


Existe um jeito ideal de montar um presépio?


Em família é o melhor modo de se arrumar o presépio. É uma atividade que deve envolver a todos os membros.

Em vários lares católicos e em igrejas, a manjedoura fica vazia até o Natal, quando a imagem do Menino Jesus é colocada solenemente. Nesses casos, enquanto o Natal não chega, Reis Magos, pastores, José, Maria, anjos, camelos, asnos ,bois ,galos e cachorros aguardam pacientemente a vinda do Menino Jesus. Fora do tempo. Contemplando o invisível.

 

 

Que são os anjos e anjinhos?


Entre os personagens do presépio estão os anjos e anjinhos. Um anjo maior costuma ocupar a parte superior do presépio, é Arcanjo Gabriel, o que anunciou a vinda de Jesus a Virgem Maria.

Mensageiros celestes, os anjos do presépio parecem dizer: "esta Criança é uma Palavra que ainda não fala, mas que já se vê".


O boi e o burro


Segundo a tradição cristã, Jesus veio ao mundo entre os animais. Nasceu numa gruta que servia para ser estábulo, aonde se abrigam animais.

Além dos pais, os primeiros a vê-lo e acolhê-lo são o burro e o boi. Pela mesma tradição, num ambiente castigado pelo frio do inverno, boi e burro prestam serviços a Maria e José ao soprar sobre o bebê o hálito quente. Até hoje eles ajudam a aquecer o Divino Infante, naquele rude inverno oriental.

Esses dois animais são também um dos primeiros sinais de que a Lei Mosaica será ultrapassada. Boi e burro estão juntos, atados, prontos para mover o arado desse Menino. Até então, a Lei impedia tal junta de animais (Dt 28,10).


Por que o boi é também o simbolo do Evangelista Lucas?


Desde a antiguidade, o Evangelista Lucas é representado pelo boi, enquanto Marcos por um leão e João por uma águia.

Em Lucas, o boi é o animal dos sacrifícios, como na palavra "hecatombe" (sacrifício de 100 bois) pois é o evangelista que mais insiste no sacerdócio e na missão sacrifical de Jesus Cristo. 

A imagem do boi também evoca a mansidão e a obediência. São Jerônimo (342-420) descreve Lucas como aquele que privilegia o tema da mansidão e da misericórdia e o chama de “escritor da mansidão de Cristo”, 

Para alguns autores não se  trata de um boi e sim de um touro evaocando força e fertilidade.


O boi do presépio é o mesmo do bumba-meu-boi


O bumba-meu-boi ou boi-de-reis é um auto teatral e uma dança dramática do Ciclo Natalino difundida em todo o Brasil cujo seu personagem central é um boi. Ele morre e ressuscita. A história alegoriza, sem menção explícita, toda a vida de Jesus: do nascimento á paixão, morte e ressurreição. ele é particularmente festejado no Nordeste e no Maranhão.

O boi do presépio foi parar no bumba-meu-boi pelas mãos dos amazonenses e nordestinos. Vários elementos imaginários e maravilhosos do Tempo do Natal estão presentes na manifestação do bumba-meu-boi. É como se o boi do presépio, tivesse decidido ocupar um espaço próprio e dinâmico nas festividades natalinas, com conteúdos de natureza pascal (morte e ressurreição, as matracas) e pastoral ( cuidados com o rebanho, fraternidade ). O bumba-meu-boi tem uma grande diversidade de nomes e variação artística, conforme a região: boi-de-orquestra, boi-de-reis,boi-de-zabumba, boi-pintadinho, bumba, cavalo-marinho e tanto outros. E assim, com essa fuga do boi do presépio para o bumba-meu-boi, seu tempo ultrapassou de longe o Natal.


As velas do Natal


As velas reúnem o reino animal ( na cera de abelha ), o reino vegetal ( no algodão ou linho do pavio ) e o reino mineral (na chama e nas cinzas).

Na tradição católica e também no Natal, as velas simbolizam Jesus Cristo, Luz do Mundo. As velas acesas ao redor e até na árvores de Natal são de origem nórdica, mas as velas nos ritos religiosos são uma tradição de origem judaica, presente até hoje, inclusive nas celebrações domésticas dos judeus.

A ceia de Natal é quase sempre acompanhada por velas acesas. No início, as famílias fabricavam suas velas com a cera pura das abelhas, em sua cor natural.


Qual o significado das luzes de Natal?


Para os cristãos, as luzes do Natal expressam a iluminação trazida ao mundo pelo Nascimento de Jesus. Essa iluminação está presente na árvore de Natal, nas fachadas das casas e lugares públicos (calçadas, árvores, prédios, lojas etc). Todas essas luzes saúdam o início de uma Nova Era, que é a Era Cristã.

As velas, com o advento da eletricidade e tecnologia, foram substitutas pelos pisca-piscas. Seu uso ampliou-se. Elas cintilam de forma variada e com duração inimaginável para as velas. As luzes natalinas trazem alegria e encantamento.


Qual o simbolismo das cores do Natal?


O verde, o vermelho e o dourado são as cores dominantes no Natal. 

O verde é simbolo primaveril de renovação, esperança e regeneração. O verde das plantas capta a energia solar e pelo processo da fotossíntese a transforma em energia vital.

O vermelho está ligado ao fogo, á redenção a o amor divino.

O dourado também é utilizado e está associado ao sol, á luz, á sabedoria e ao Reino vindouro.

Para a tradição católica há uma relação entre essas três cores e os presentes  dos Reis magos: ouro (dourado), incenso (vermelho) e mirra (verde).


A flor do Natal é um presente tropical


O Brasil e os trópicos importaram diversos símbolos e costumes natalinos das regiões temperadas da Europa e do Mediterrâneo: pinheiros, Papai Noel agasalhado, lareiras. Até neve feita de algodão. Mas os trópicos exportavam uma planta como simbolo natalino para a Europa.

É a Flor do Natal ou Poinsétia, também conhecida como "bico-de-papagaio", "rabo-de-arara", "cardeal" ou "estrela-do-natal'. Originária do México, ela tem base na folhas verdes e acima, coroando a hastes, folhas semelhantes as pétalas de flores vermelhas. O seu nome científico é Euphorbia pulcherrima e significa “a mais bela das eufóbias”. Tomou conta do Natal dos países temperados e resistentes ao inverno, dentro das casas.

Esse símbolo vegetal não vem dos astecas e sim dos franciscanos. A partir do século XVII, no México, a flor da poinsétia começou a ter um significado natalício. Os frades franciscanos a utilizaram em comemorações natalinas e associaram a forma de suas brácteas vermelhas à Estrela de Belém. A planta é muito utilizada para afins decorativos na Europa e América do Norte, especialmente no Natal. Como é uma planta de dia curto, floresce exatamente no solstício de inverno e coincide com o Natal no Brasil, a não ser nas regiões Sul e Sudeste, onde cresce como arbusto nos jardins.


Jesus nasceu em Belém?

O Imperador César Augusto (30 a.C a 14 d.C) realizava o Censo do Império romano “e todos iam se  inscrever, cada um em sua cidade” (Lc 2,3). E a cidade de nascimento de José não era Nazaré e sim Belém, onde ele apresentou-se para o recenseamento.

Jesus nasceu em Belém (Mt 2,1-6; Lc 2,4-15; Jo 7,42) e cumpriu uma profecia messiânica: “E tu, Belém, terra de Judá, não és de modo nenhum o menor dentre os principais lugares de Judá. Porque de tinha de sair o Chefe que há de pastorear o meu povo, Israel” (Mq 5,2). A Belém de Judá fica a 10km ao sul de Jerusalém e foi fundada pelos cananeus.


Em 1350 a.C, um governador egípcio da região mencionou a cidade, em carta ao Faraó Amenhotep III, como importante ponto de repouso para viajantes. seu nome em hebraico (beit-lehém) significa “casa do pão”.


O que tocam os sinos de Natal ?


O Natal está asscociado ao ressoar dos sinos. Eles emitem sons agradavéis e podem ser escutados a grandes distâncias. No passado, antes das existências dos relógios, o povo se orientava no dia de trabalho pelo repicar dos sinos das igrejas. O sino é como um relógio popular e tem participação no anúncio das grandes festas cristãs. Seu toque é em geral  festivo.

No Natal, dos campanários das igrejas, os sinos anunciam uma das maiores festas cristãs: o
Nascimento de Jesus. Na noite de Natal, os sinos tocam e anunciam o desejo de paz na terra aos homens de boa vontade: “Paz na terra, toca o sino, alegre a cantar. Abençoe Deus Menino esse nosso lar”, diz a antiga canção natalina.


Qual o significado da guirlanda na porta?


Um dos sinais mais visíveis do Natal é a guirlanda, colocada na porta de entrada das casas.

Essa guilanda circular é feita de ramos vegetais entrelaçados e enfeitados com fitas, sinos e objetos. O entrelaçamento desses dois ramos simboliza o Mistério da Encarnação do Verbo Divino. Deus se fez carne e habitou entre nós. Ele tomou corpo humano.

Para os cristãos, Jesus é verdadeiramente Deus e verdadeiramente homem. As duas naturezas, divina e humana, se entrelaçam, como dois ramos que se buscavam num mesmo jardim.


Qual o significado das guirlandas?


A guirlanda, a Coroa do Advento, as coroas de flores, todas significam "Vitória".

Antes, o nome designava a Coroa de Louros, simbolo da vitória de atletas e guerreiros, ainda entregue nos dias e hoje aos vencedores esportivos, especialmente nas Olimpíadas.Com o sacrifício do primeiro mártir do cristianismo, Santo Estêvão, ela passou a significar a coroa martírio ou testemunho ( At, 7,54-60). Nomes como Estéfano, Estêvão e Stefane, por exemplo, vêm do grego stephanos ("coroa") e evocam uma "vitória", um "coroamento".

A guirlanda do Natal representa um coroamento do lar, da família, da sua união e do fim do ano.


A Coroa do Advento


A Coroa do Advento, um outro simbolo natalino, é feita de ramos verdes entrelaçados. Eles formam um círculo, no qual são colocadas quatro grandes velas, de preferência da cor roxa. Elas representam as quatro semanas do Advento, o  período de tempo que antecede o Tempo do Natal.

A tradição da Coroa do Advento surgiu no norte da Alemanha a na Escandinávia, no século XVI, para preparar os cristãos para a Festa de Natal, quatro semanas depois. Na Suécia, a Coroa do Advento é reservada para a Festa de Santa Luzia no dia 13 de dezembro. Do norte da Europa, o costume ganhou o mundo, como uma nova maneira de atualizar o antigo tema do Natal de Jesus.

Nas igrejas, esse coroa deve ser colocada em um lugar evidente no Presbitério, bem perto do altar ou do púlpito, sobre uma mesinha, um tronco de árvore ou em qualquer outro lugar bem visível. Essa colocação é recomendada até pelo Pontifício Instituto Litúrgico de Santo Anselmo de Roma.

Nas casas, a Coroa do Advento costuma ser colocada numa mesa da sala ou num lugar bem central.

Um pequeno e  particular rito natalino caseiro acompanha a Coroa do Advento: a ordem do acendimento das suas velas. A cada Domingo, em geral à noite, uma vela é acesa. No Primeiro Domingo uma, no Segundo duas, até serem acesas as quatro velas no Quarto Domingo. Essa luz nascente indica a proximidade do Natal, quando Cristo, o  Salvador e a Luz do Mundo brilhará para toda a Humanidade.

Ao ser colocada na casa, ela recorda também a experiência de escuridão do Pecado. A primeira vela lembra o perdão concedido a Adão e Eva. A segunda simboliza a fé de Abraão e de outros patriarcas, a quem foi anunciada a Terra Prometida. A terceira lembra a alegria do rei Davi que recebeu de Deus a promessa de uma aliança eterna. A quarta recorda os profetas que anunciaram a chegada do Salvador.

A cor roxa das velas, a mesma do período da Quaresma, convida a purificar os corações para colher o Cristo que vem. Ás vezes existem coroas com velas de cor rosa, evocando alegria: "O Senhor está próximo!". Os detalhes dourados, como em todos os áures símbolos natalinos, prefiguram a glória do Reino que virá.



O Papai Noel


O rechonchudo Papai Noel é amado por crianças e adultos, com suas barbas e cabelos brancos, óculos redondos e um saco ás costas. O personagem do Papai Noel foi inspirado em São Nicolau, o Taumaturgo, arcebispo de Mira, no século IV. Ele nasceu em 280 em Patara, na atual Turquia, e morreu aos 41 anos. Sua festa litúrgica é comemorada em 6 de dezembro.

O bispo Nicolau costumava ajudar, anonimamente, quem estivesse com dificuldades financeiras. Bondoso e generoso, nas várias histórias a seu respeito, São Nicolau sempre oferecia presentes aos pobres e salvava marinheiros vítimas de tempestades. Foi declarado Santo após muitos milagres lhe serem atribuído, sendo padroeiro das crianças e dos marinheiros. E ao "Papai Noel" as crianças passaram a pedir os presentes com antecedência, para ganhá-los no Natal. A fama do Papai Noel de dar presentes ás crianças chegou aos Países Baixos pelos marinheiros, gente poliglota por ofício e não de profissão. Eles transmitiram o nome de São Nicolau como puderam.

Seu nome original era Nicolau, mas surgiram vários apelidos. O nome Nicolau cresceu pela Alemanha e Europa, atravessou séculos, até chegar aos Estados Unidos, onde é chamado de Santa Claus. O nome Santa Claus vem da evolução paulatina do nome de São Nicolau: St. Nicklauss, St Klaus e Santa Claus. O nosso "Papai Noel" vem do francês Père Noel. Em Portugal, ele é chamado de "Pai Natal". 

Entretanto, a palavra "Noel" é mais poderosa do que muitos imaginam, pois provem do hebraico imanu'el, que significa "Deus conosco".
.
Quem deu força à lenda dum "Papai Noel que presenteia" foi Clement C. Moore, professor de literatura grega em Nova Iorque (EUA), com o poema “Uma visita de São Nicolau”, escrito para os seus seis filhos em 1822. Moore divulgou a versão de que ele viajava num trenó puxado por renas e ajudou a popularizar outras características, como o de entrar pela chaminé. A explicação da chaminé vem da Finlândia, uma das fontes de inspiração do poema. Os antigos lapões viviam em pequenas tendas, como iglus, cobertas com pele de rena. A entrada era um buraco no telhado. De personagem real da Turquia, o Papai Noel imaginário passou a vir do Pólo Norte. 

A última e mais importante característica incluída na figura de Papai Noel é sua roupa vermelha e branca. Antigamente, ele vestia-se como bispo católico ou usava cores próximas do marrom, com uma coroa de azevinhos na cabeça ou nas mãos. Seu visual foi obra do cartunista Thomas Nast, na revista Haper's Weeklys, em 1886, numa edição especial de Natal.

Em alguns lugares na Europa e no Canadá ele ainda é representado com os paramentos eclesiásticos de bispo e, ao invés do famoso gorrinho vermelho, tem uma mitra episcopal.


Por que meias e sapatos na janela no dia de Natal?


A Tradição de pendurar meias na lareira ou deixar sapatos na janela originou-se de uma das muitas histórias sobre São Nicolau, em quem se inspira a figura do Papai Noel. 

No passado, para uma moça era indispensável dispor de um dote para se casar. São Nicolau sobe da triste situação de uma família, sem recursos para o dote de suas filhas. secretamente, ele jogou três pequenos sacos com moedas de ouro pela chaminé da casa da família. Os sacos caíram dentro das meias das moças, penduradas na lareira para secar. Em outras versões foi pela janela, e caíram dentro de uns sapatos.


Qual a tradição da "chegada do Papai Noel"?


Antes ou depois da ceia de Natal, algumas casas representam a chegada do Papai Noel. As crianças são interrogadas sobre seu comportamento durante o ano. Os presentes correspondem aos pedidos feito por escrito, ou oralmente, para o papai Noel. Ele confere a lista e faz sua distribuição diretamente.

Para essa missão, montada em segredo nas famílias, algum adulto se engaja através de uma fantasia do Bom Velhinho. Em outras casas, Papai Noel deixa os presentes dos filhos ao lado de suas camas, junto aos pares de sapatos ou ainda no pé da árvore de Natal. Eles serão encontrados quando os filhos despertarem.


Qual a história da Ceia de Natal?


No passado, após a Missa do Galo, celebrada á meia noite do dia 24, era servida nas igrejas uma refeição frugal aos fiéis presentes. Com o tempo, essa refeição foi transferida para as casas dos fiéis e tornou-se mais sofisticada. Muitas famílias reúnem-se para uma ceia mais alegre, com pratos tradicionais, assados, doces, frutas cristalizadas, bolos e pudins.


Os lares são enfeitados e iluminados para a Ceia de Natal e são comuns as velas acesas. Essa celebração estreita os laços familiares e é uma liturgia doméstica, ao som de música natalina. Os familiares cantam, fazem leituras bíblicas, representam pequenos autos de Natal em que crianças menores e idosos representam a chegada do Papai Noel, tocando sinos e entregando presentes ao mais pequeninos.


Qual a história da tradição da Comida dos 13 Mendigos ?


Algumas famílias de origem mediterrânea mantêm a tradição dos Treze Mendigos. São 13 doces e frutos servidos no final da ceia de Natal e deixados à disposição para consumo sobre uma mesa, durante três dias, até o dia 27 de dezembro.

Os 13 mendigos são: nozes, avelãs, amêndoas, pistaches, castanhas, pinhões, tâmaras, figos secos, uvas passas, damascos, marmelos (marmelada), maçãs e peras. Eles representam Jesus (tâmara) e os 12 apóstolos. 

Podem ser também treze doces diferentes, depende da tradição familiar. Esses "13 Mendigos" prolongam a alegria e os sabores da ceia de Natal até pertinho da passagem de ano.


Por que a troca de presentes no Natal ?


O costume de dar e trocar presentes é o resultado de vários aspectos ligados ao nascimento de Jesus.

Pelo Mistério da Encarnação, Deus se faz presente, dar presente é uma forma de estar presente na vida do outro. Esse gesto evoca a presença dos Reis Magos junto a Jesus e á Sagrada Família, entregando presentes.

O presente é uma lembrança, é "lembrar-se do outro". A exagerada compra de presentes, a mobilização agressiva do comércio e aos apelos ao consumo desenfreado infelizmente deram um impulso consumista e até anti-cristão ao Tempo de Natal.


Por que deixar os presentes ao pé da árvore?


Em muitas casas, os presentes natalinos são colocados aos pés da árvores de Natal, para serem trocados, depois da ceia, entre amigos e familiares.

Esse costume teria começado durante o reinado de Elizabeth I, na Inglaterra do século XVI. A rainha promovia grandes festas natalinas e recebia muitos presentes. Como era praticamente impossível receber diretamente todos os presentes, adorou-se o costume de deixá-los sob uma grande árvore natalina, montada nos jardins do palácio.


Qual a origem dos cartões de boas festas ?


No passado, os votos de Natal eram expressos através de cartas, algumas decoradas, enviadas pelo correio. Os cartões de Natal, de origem anglo-saxônica, começaram já no século XVI e desenvolveram-se muito por volta de 1850, graças á litografia e às gráficas. Algumas pessoas reproduziram cenas de quadros famosos sobre a Natividade, para enviarem a seus amigos e familiares. Alguns solicitaram novas criações sobre temas natalinos para diversos artistas.


Sir Henry Cole, diretor do Museu Britânico (Inglaterra) sem tempo para escrever a mão as felicitações natalinas, mandou fazer um desenho com um espaço onde escrevia breves palavras. O advento da Internet trouxe toda uma gama adicional de cartões e mensagens de Natal, escritas, sonoras e até com pequenos filmes.


E as lapinhas ?


Nas regiões Norte e Nordeste, o Tempo do Natal é marcado lapinhas, realizadas ao som de maracás, flautas, pandeiros, violões e cavaquinhos. As lapinhas são apresentadas na frente dos presépios ou lapinhas das igrejas na noite de Natal e em seus adros e escadarias, antes da Missa da Meia-Noite. Seus integrantes vestem-se de pastores, cantam e louvam o nascimento de Jesus.


A apresentação da lapinha constitui-se de duas alas: a do cordão encarnado, da mestra e a do cordão azul, da contramestra e de vários personagens ( Linda Rosa, lindo Cravo, Borboleta, Ciganas... )

Religiosas e até litúrgicas na sua origem portuguesa, as lapinhas foram sendo substituídas em muitos lugares pastoris, sem toda a religiosidade das primeiras.


Quem são os Reis Magos?


Um antigo documento conservado nos Arquivos Vaticanos conhecido como “A Revelação dos Magos” - provavelmente seja algum “apócrifo”, nome dado aos livros não incluídos pela Igreja Católica na Bíblia - nos informa sobre eles.

A narração de São Mateus (Mt 2) contém tudo o que é necessário para a Fé. Mas com o beneplácito e a aprovação da Igreja a piedade popular acrescentou muitos outros pormenores, que foram transmitidos por tradição oral e que são aceitos sem contestação.




São Beda - importante por  ser uma das máximas autoridades dos primeiros tempos da Idade Média pelo fato de ter recolhido relatos transmitidos oralmente pelos Apóstolos aos seus sucessores, e destes aos seguintes.- nos diz que  “Melquior era velho de setenta anos, de cabelos e barbas brancas, tendo partido de Ur, terra dos Caldeus. Gaspar era moço, de vinte anos, robusto e partira de uma distante região montanhosa, perto do Mar Cáspio. E Baltasar era mouro, de barba cerrada e com quarenta anos, partira do Golfo Pérsico, na Arábia Feliz”.
 
São Beda quem por primeira vez escreveu o nome dos três. Nomes com significados precisos que nos ajudam a compreender suas personalidades. Gaspar significa “aquele que vai inspecionar”; Melquior quer dizer: “Meu Rei é Luz”, e Baltasar se traduz por “Deus manifesta o Rei”.

São Beda, o Venerável (673-735), Doutor da Igreja e monge beneditino nas abadias da Inglaterra, os via como Representantes dos Povos da Europa, Ásia e África, os três continentes conhecidos naquela época. Joseph Ratzinger (o futuro papa.Bento XVI) comenta que “a promessa contida nestes textos (o Salmo 72,10) estende a proveniência destes homens até ao extremo Ocidente (Tarsis, Tartessos em Espanha), mas a tradição desenvolveu posteriormente este anúncio da universalidade aos reinos de que eram soberanos, como reis dos três continentes então conhecidos: África, Ásia e Europa”

Também seus presentes têm um significado simbólico. Melquior deu ao Menino Jesus ouro, o que na Antiguidade queria dizer reconhecimento da realeza, pois era presente reservado aos reis. Gaspar ofereceu-Lhe incenso (ou olíbano), em reconhecimento da divindade. Este presente era reservado aos sacerdotes. Por fim, Baltasar fez um tributo de mirra, em reconhecimento da humanidade. Mas como a mirra é símbolo de sofrimento, vêem-se nela preanunciadas as dores da Paixão redentora. A mirra era presente para um profeta, usada para embalsamar corpos e representava simbolicamente a imortalidade.

Desta maneira, temos o Menino Jesus reconhecido como Rei, Deus e Profeta pelas figuras que encarnavam toda a humanidade.

Relicário dos Três Reis Magos, catedral de Colônia, Alemanha.
De acordo com uma tradição acolhida por São João Crisóstomo (347-407), os três Reis Magos foram posteriormente batizados pelo Apóstolo São Tomé e trabalharam muito pela expansão da Fé (Patrologia Grega, LVI, 644).

O nome “mago” provinha do fato de os sacerdotes da Caldeia serem muito voltados para o estudo dos astros. A eles devemos o início da ciência astronômica. Com a decadência moral, os “magos” caldeus viraram uma espécie de bruxos. Os Três Reis Magos teriam sido os últimos sacerdotes honrados daquele mundo pagão que aspiravam sinceramente conhecer o Salvador (Mt 2,5-7).

Discute-se também em que sentido podem ser chamados de “Reis”. Porém, na Antiguidade, os patriarcas, ou chefes de grandes clãs, governavam com poderes próprios de um rei, sem terem esse título ou equivalente. E seu reinado se concentrava sobre sua hoste, por vezes nômade.


Quantas são as missas do Natal ?


O Natal tem mais do que a famosa Missa do Galo. 

O Natal é um dos maiores dias festivos do calendário católico. Nesse dia, seguindo uma tradição de mais de 1600 anos, a Igreja celebra (com intenção livre ) três missas: a da Aurora (desde o século VI) e a do Dia (instituída no século IV). 

Com o tempo, foi acrescentada mais uma para a celebração vespertina do dia 24, a chamada "Missa do Galo". 



Por que uma "Missa do Galo"?


O nome oficial é "Missa da Véspera do Natal". 

A Missa do Galo começou a ser celebrada em meados do ano 300. Com o passar dos anos, as missas eram sempre celebradas à meia-noite. Hoje, em muitas Igrejas do Brasil este horário ainda é mantido.
 
A  expressão “Missa do Galo” é específica dos países latinos e deriva da lenda que à meia-noite do dia 24 de dezembro um galo teria cantado fortemente, como nunca ouvido de outro animal semelhante, anunciando a vinda do Messias, filho de Deus vivo, Jesus Cristo.

Uma outra lenda, de origem espanhola, conta que antes de baterem as 12 badaladas da meia noite de 24 de Dezembro, cada lavrador da província de Toledo, em Espanha, matava um galo, em memória daquele que cantou três vezes quando Pedro negou Jesus. A ave era depois levada para a Igreja a fim de ser oferecida aos pobres, que viam assim, o seu Natal melhorado. Era costume em algumas aldeias espanholas e portuguesas, levar o galo para a Igreja para este cantar durante a missa, significando isto um prenúncio de boas colheitas.

Algumas literaturas relatam que no século IV a comunidade cristã de Jerusalém seguia em peregrinação até Belém para celebrar a Missa do Natal na hora do primeiro canto do galo, mencionado por Jesus na traição de Pedro, descrito nos Evangelhos (Mt 26, 34 e Mc 14, 68-72).

Em Roma a celebração acontece desde o século V, na Basílica de Santa Maria Maior. 

O galo passou a simbolizar vigilância, fidelidade e testemunho cristão. Por isto, no século IX a ave foi parar no campanário das igrejas.


Qual a diferença entre Tempo de Advento e do Natal?


Para a Igreja existem dois tempos: o do Advento e o do Natal. O calendário litúrgico da Igreja Católica, equivalente ao ano civil, começa com o Advento, em novembro.

O tempo do Advento inicia-se quatro domingos antes do Natal e termina no dia 24 de dezembro com a comemoração do nascimento de Cristo.

O Tempo do Natal inicia-se na véspera do Natal até o primeiro domingo depois da Festa da Epifania. No ciclo do Natal são celebradas as festas da Sagrada Família (30 de dezembro), da Circuncisão do Senhor (1º de janeiro), de Santa Maria Mãe de Deus (1º de janeiro), dos Santos Reis ou Reis Magos (6 de janeiro) e do Batismo de Jesus (primeiro domingo após a Epifania).

Todas as festividades de Natal acabam na Epifania. Na Amazônia e no Nordeste é tradição queimarem as palhinhas do presépio. "A Epifania leva embora todas as festas", como dizem os italianos.




*   *   *
.